Translate

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

MÚSICA:

Reconhecimento
 
A Gazeta de Piracicaba traz na edição de hoje, na seção 'Gente', uma matéria sobre a Banda Dona Zaíra, que na noite desta quarta-feira, "recebe o prêmio Exxxccelência, que premia pessoas conceituadas de Piracicaba. O grupo recebe o prêmio na categoria Músicos."

A reportagem cita que o reconhecimento em rede nacional ocorreu pouco depois do lançamento do último CD, denominado 'Antenas e Raízes', que mostra uma nova fase do grupo, com uma leitura particular do forró na era digital.

Com uma predominância do forró, no novo trabalho a banda transita também por outros ritmos como carimbó, catira, coco-de-roda, cúmbia, hip hop, iê-iê-iê, maracatu, MPB, música eletrônica, rock'n roll e tropicalismo, abordando temas como política, globalização e sexualidade, sem deixar de fora o amor, é claro.

---------------------------------------
TEXTO: Paulo Cesar Paschoalini
---------------------------------------
COMENTÁRIO: O texto foi baseado na reportagem publicada na página 14 da "Gazeta de Piracicaba", edição 2818, de 30/09/2015. A imagem escolhida é a mesma que estampa a matéria da "GP". A palavra "Reconhecimento", escolhida como título desta postagem, foi extraída do texto da reportagem e fica a expectativa para que outros merecido prêmios como esse mencionado também possam valorizar a competência de Rafael Beibe, André, Matheus, Diego, Rafael e Maicon, reconhecidamente, músicos de talento. Parabéns, moçada! Muito sucesso, saúde e sabedoria...
______________________________________

domingo, 27 de setembro de 2015

MINHA CRÔNICA:

Despertando consciência

E não é que de repente todos passaram a se preocupar com o meio ambiente!? Ou, pelo menos, quase todos. Para que isso fosse possível, foi necessária a iminência da instalação de uma usina termelétrica nas imediações de Piracicaba, para subir de vez a temperatura da opinião pública.

O assunto do momento é a virtual instalação da malfadada usina, que desde já vem tratando de produzir energia suficiente para gerar uma certa polêmica. É bem verdade que a maioria da população não dispõe de dados necessários para dar um parecer acerca do assunto, mas, mesmo assim, muita gente faz questão de se informar para poder emitir a sua opinião e isso eu vejo de uma forma muito positiva. Se essa usina termelétrica for capaz de despertar a consciência da população para questões ecológicas, que até então eram vistas apenas como modismo, já terá cumprido o seu papel.

Apesar das pessoas em geral não terem conhecimento técnico suficiente para falar sobre o assunto, o que chama a atenção é o bom senso daqueles que se posicionam de forma contrária a instalação da tal usina. Pessoas que, assim como eu, conheceram um rio caudaloso no passado, hoje se deparam com um leito que conduz águas escuras e silenciosas, sem forças para levarem para longe a insensatez daqueles que, sob os mais variados pretextos, insistem em interferir no curso natural das coisas, sem se preocupar com consequências futuras.

Muito próximo das margens do rio Piracicaba, são lançados esgotos domésticos e resíduos industriais das mais variadas origens, deixando peixes e outros seres vivos sedentos por um pouco de águas claras, que estão prestes a serem novamente subtraídas. Em seu leito a vida já não vem encontrando mais condições para se desenvolver e, a continuar assim, tudo que ali existe estará caminhando em direção a morte certa. Os peixes de muitos quilos só são pescados na memória daqueles que conheceram um rio, que foi fonte de inspiração para muitas músicas que enalteciam a sua beleza, mas hoje, infelizmente, agoniza.

Pessoas ligadas às mais variadas entidades vem se mostrando preocupadas com a natureza e isso é muito salutar. No entanto, o engajamento nessa luta pela vida não tem sido visto por parte de um segmento fundamental da sociedade. Boa parte das religiões tem adotado uma postura de neutralidade diante desse problema crucial, numa clara atitude de que “isso não é comigo”. Claro que é!

Não digo que as religiões devam apenas opinar com relação a instalação ou não de Carioba II. Não me refiro somente a essa ação específica, mas sim a uma atitude mais abrangente visando despertar a consciência para com o meio ambiente e a preservação da natureza de um modo geral. Diversas crenças dizem que Deus muitas vezes se manifesta através da natureza, mas não “mexem uma palha” para preservar essa mesma natureza. Na verdade, uma ou outra religião tem se manifestado sobre o assunto, mas numa cidade com inúmeras tendências religiosas, a participação tem sido um tanto quanto tímida e discreta.

É sabido que a água é usada como símbolo em muitos cultos religiosos. Algumas vezes ela é usada em rituais de batismo, outras para lavar escadarias e outras, ainda, para cerimônias à beira mar. Existem, também, outras formas mais de utilizar a água e todas com um forte significado simbólico, nas mais diversas crenças. Porém, já passou da hora das religiões perceberem que a água não é apenas um simples símbolo. Mais do que isso, esse líquido precioso é essencial para preservar aquilo que se tem de mais sagrado: a Vida. Ao Ser Supremo coube criar e ao ser humano cabe preservar a criação.

Infelizmente a maioria das religiões vem se omitindo em relação a essa questão vital. Muitas crenças vem adotando uma atitude tal qual Pilatos, que lavou as mãos quando se viu diante de um problema que envolvia vida e morte. Basta de omissão!

“E disse também Deus: Ajunte-se as águas debaixo dos céus num só lugar, e apareça a porção seca. E assim se fez. A porção seca chamou Deus, Terra. E o ajuntamento das águas, mares. E viu Deus que isso era bom” (Gênesis 9 e 10).

Seria importante que todas as religiões contribuíssem, assumindo uma posição mais efetiva  com relação a sobrevivência do ser humano e de preservação da natureza. Chegou o momento de se tomar uma atitude concreta. E verá o ser humano que isso será muito bom...

----------------------------------------
AUTOR: Paulo Cesar Paschoalini
---------------------------------------
COMENTÁRIO: O texto acima foi publicado na página A-2 do "Jornal de Piracicaba", edição de 18.05.2001. O jornal em questão é um dos meios de comunicação mais tradicionais da região. Foi fundado no ano de 1900, cobre 13 cidades e tem tiragem estimada em 20.000 exemplares em dias úteis e 32.000 em finais e semana (sucursalsp.com.br).
Apesar de ter sido escrito há um certo tempo, trata-se de um assunto muito atual, tendo em vista as mudanças climáticas que afetam o clima do planeta, principalmente nos últimos anos. Por isso, tem sido um dos principais temas abordado pelo Papa Francisco nos Estados Unidos, na visita que terminou hoje.
Foi a minha primeira crônica publicada e aproveito a oportunidade para agradecer a Joacir Cury, na época Editor Chefe do "JP", pela gentileza em estampá-la naquela edição. Hoje, quando eu leio novamente o texto, eu o vejo com outros olhos e, certamente, o teria escrito de maneira diferente; não saberia dizer qual seria o seu conteúdo, mas sei que seria de outro modo. Afinal, transcorridos mais de 14 anos, o mundo passou por diversas transformações, assim como o contexto em que vivemos se tornou diferente. Por muita coisa ter mudado em torno de mim, sinto que eu também não sou mais o mesmo.
______________________________________

sábado, 12 de setembro de 2015

UMA CITAÇÃO...

Vaidade

"Cheguei a firme convicção de que a vaidade é a base de tudo e de que, finalmente, o que chamamos de consciência é apenas a vaidade interior."

-------------------------------
AUTOR: Gustave Flaubert
-------------------------------
COMENTÁRIO - Paulo Cesar Paschoalini:
Gustave Flaubert nasceu em 1821 e morreu em 1880. Foi um importante nome da literatura francesa, destacando-se pela profundidade com que analisava a realidade e pela sua visão a repeito do comportamento social. Seu romance mais conhecido é 'Madame Bovary', que começou a ser escrito em 1851 e que levou cinco anos para ser concluído. O destaque nessa obra é a dura depreciação dos valores burgueses e ridiculariza sua própria condição social. Em 1866 foi condecorado pelo governo francês com a Legião de Honra. (fonte: Wikipedia).
_____________________________________  

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

MINHA POESIA:

Faz de conta

Outro dia mesmo estava me divertindo,
assim meio descuidado, meio distraído,
e pelas brincadeiras de infância atraído.

Vieram outros dias, outras noites,
e, então, o tempo, sorrateiramente,
foi levando para longe de mim, dia após dia,
o pião que fazia girar as minhas fantasias;
as bolinhas de sabão, que eram meu alento,
foram desmanchando-se ao sopro do vento.

O faz de conta, os pés descalços, as “partidas”,
o “bate-bola” nos campinhos de terra batida;
as alegres brincadeiras de “esconde-esconde”,
me escondiam do mundo adulto, não sei onde.
Enfim, até me dar conta que chegou o dia
de que esconder já não mais conseguia.

Eu não gostei de ter crescido, realmente.
Vez por outra eu me perco à minha procura.
Eu queria ter de novo aquela estatura,
aquela inocência, aquela candura.
Não queira esse mundo de loucura,
onde a verdade se vai e a mentira perdura.
Eu queria ser um menino eternamente.

Na verdade sou criança, apesar da aparência,
e luto para não ser adulto, com veemência,
para não adulterar de vez a minha essência.

O pião perdeu-se num mundo que continua a girar,
as bolinhas de sabão desfizeram-se de vez pelo ar
e nas ruas asfaltadas meus pés calçados vêm pisar.

Mas eu sigo brincando de esconde-esconde, contudo,
com o tempo que insiste em transformar tudo;
faz de crianças felizes, adultos sisudos.

Meu corpo de adulto pelo tempo foi esculpido,
embora me sinta criança, num corpo crescido,
com roupas de adultos, mas espírito despido.

Quanto mais ele muda, mais me contraponho,
pois muda um reino encantado de sonhos,
em um mundo ainda mais infeliz e tristonho.

Cresci e não gostei; isso me desaponta.
Por isso mantenho esse desejo oculto,
insistindo em brincar de faz de conta,
“fazendo de conta” que sou adulto.

--------------------------------------------
AUTOR: Paulo Cesar Paschoalini
--------------------------------------------
PREMIAÇÕES:
– Menção Honrosa no “X Concurso Nacional de Poesias-APLA”, da Academia Pontagrossense de Letras e Artes, da cidade de Ponta Grossa-PR.
– 7ª colocada no “XXXIX Festival de Música e Poesia – FEMUP 2004”, da Fundação Cultural de Paranavaí-PR, declamado por Bruna Boaretto, em 20/11/2004, noite de premiação do evento.
– Texto apresentado nos dias 15, 16 e 17/09/2006, no Teatro Municipal “Dr. Losso Neto”, em Piracicaba, durante do show "Simplesmente", do grupo musical "Falando da Vida", interpretado por Nelma Nunes, atriz com participações em espetáculos na cidade de Piracicaba e região.
– Texto selecionado para compor o encarte comemorativo aos 25 anos do Grupo Musical "Falando da Vida", da cidade Piracicaba-SP, no ano de 2010.
 Selecionado no "XIII Prêmio Escriba de Poesia", da cidade de Piracicaba-SP, sendo uma das 31 poesias escolhidas dentre mais de 1300 textos inscritos em 2015.
ATENÇÃO: Ao fazer uso de algum tipo de aplicativo para Tradução, é possível que o texto traduzido não seja necessariamente fiel ao original, já que cada idioma tem a sua particularidade, principalmente quando se tratar de conteúdo poético.
______________________________________

terça-feira, 1 de setembro de 2015

LITERATURA:

Prêmio Escriba de Poesia - 2015

A Biblioteca Pública Municipal de Piracicaba "Ricardo Ferraz de Arruda Pinto" anunciou o resultado do "XIII Prêmio Escriba de Poesia". Trata-se de um tradicional evento literário brasileiro, promovido pela SEMAC - Secretaria Municipal de Ação Cultural, que acontece todos os anos para as categorias poesia, contos ou crônicas, que se alternam a cada edição. Para este ano, cada concorrente deveria enviar até duas poesias de própria autoria, sem necessidade de serem inéditas. Os três primeiros colocados receberão, respectivamente, os valores de R$ 4.000, R$ 3.000 e R$ 2.000, além de R$ 1.500 para o melhor de Piracicaba. Segue-se, ainda, as Menções Honrosas e demais selecionados em 2015:

CLASSIFICAÇÃO:
1º Lugar – Refúgios para Guardar meu pai, de Patrícia Claudine Hoffman – Balneário Barra do Sul–SC
2º Lugar – Ex-comungado, de Carlos Alberto Bellini - Porto Ferreira-SP
3º Lugar – Verão, de Adriano Wintter Sobrosa - Porto Alegre–RS
Melhor de Piracicaba – Agonia da Palavra - de Ésio Antonio Pezzato

MENCÕES HONROSAS:
Ilusões Perdidas – Leda Coletti
Aquém e Além da Cajaraneira - Vicência Maria Freitas Jaguaribe
Poemartírio – Geraldo Trombin
Perspectiva – Ronaldo Henrique Barbosa Junior
Súplica – Samuel Antunes dos Santos
Despedida de barco – Baktalaia de Lis Andrade Leal
Iluminura – Luiz Cláudio Bento Rodrigues

SELECIONADOS:
Via Litterae – Rafaela Gomes Figueiredo
A casa dos rolos de papiro – Diego Martins de Paula
Clarice L´Spectre – Sônia Marçal Pavan
Caos – Rosicler Antoniacomi Alves Gomes
Pseudopsicologia da composição – Augusto Sérgio Bastos
Hei – Fernanda da Silva Lopes
Borboletas Rupestres – Pedro Jorge Rodrigues Gomes
De Ser em Hiato – Matheus Vinícius de Sousa Fernandes
Faz de conta – Paulo Cesar Paschoalini
Hipnos – Rubens Chinali Canarim
Palavras - Patrícia da Costa
As coisas vivas – Ana Flávia de Melo Mendes Carvalho
# Lua – Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Medusa – Rodolfo Elias Minari
Corpo e Alma – Sergio Fonseca
Vó e Vô – André Telukazo Kondo
Ménage à Trois – Jacqueline Salgado
Curriculum Verax - Lucas Bronzatto Silveira
Água nua – Ilda Pinto Almeida
Paradoxo – Mateus Felipe dos Reis Martins

-----------------------------------------------------------
FONTE: Biblioteca Municipal de Piracicaba
-----------------------------------------------------------
COMENTÁRIO - Paulo Cesar Paschoalini:
Tive a grata satisfação de ter a minha poesia "Faz de conta" como sendo uma das 31 escolhidas, dentre mais de 1.300 textos inscritos, enviados por 684 participantes. Sem dúvida um número expressivo, o que, por certo, valoriza ainda mais o fato de ter sido selecionado. A imagem escolhida é do Engenho Central de Piracicaba, local que abriga eventos culturais da cidade. Informações: http://biblioteca.piracicaba.sp.gov.br/premioescriba.
______________________________________