Translate

quinta-feira, 30 de junho de 2016

MINHA CITAÇÃO:


Problema mal resolvido

"O maior equívoco que cometemos com relação a um 'problema mal resolvido', é que continuamos a tratá-lo, ainda, como sendo um 'problema' ou um 'mal', quando, na verdade, é algo que, de alguma maneira, já foi devidamente 'resolvido'."

----------------------------------------
AUTOR: Paulo Cesar Paschoalini
----------------------------------------
COMENTÁRIO: Esta, além de outras citações do autor, podem ser também encontradas no site "Pensador.uol.com.br", link: http://pensador.uol.com.br/autor/paulo_cesar_paschoalini/. Também fica o convite para acessarem a página do Facebook: https://www.facebook.com/paulocesar.paschoalini.
______________________________________

quinta-feira, 23 de junho de 2016

UMA CITAÇÃO...

Imprensa

"Vivemos numa época de escancarado adestramento. Um folhetim semanal qualquer ordena que 'veja' e, então, as pessoas veem e saem falando e agindo exatamente segundo o roteiro ali publicado, sem qualquer questionamento ou reflexão mais apurada. Sugiro, então, o lançamento da Revista 'PENSE'. Quem sabe, assim, as pessoas sintam-se estimuladas a pensar, nem que seja somente um pouquinho."

-----------------------------
AUTOR: Desconhecido
-----------------------------
COMENTÁRIO - Paulo Cesar Paschoalini:
Recebi esta frase, via e-mail, no segundo semestre de 2015 e achei a citação interessante e curiosa. Por ser de autor desconhecido, eu procurei alguma referência sobre eventual autoria da mesma, mas não consegui, até então. Passados alguns meses, por entender que se trata de algo muito atual, eu resolvi publicar aqui no blog. Para se ter uma ideia sobre o poder da imprensa no Brasil, em março de 2015 a Revista "Veja", da Editora Abril, trouxe na capa o deputado Eduardo Cunha e uma matéria sobre ele, entre outras coisas, enaltecendo a sua figura. Apesar de estar a "poucos cliques" de informações sobre qualquer pessoa pública, algum tempo depois, as pessoas que saíram em manifestações dizendo ser "contra a corrupção", carregavam faixas com a inscrição "Somos todos Cunha". Pouco mais de um ano da reportagem mencionada, surgiram inúmeras denúncias de crimes cometidos por Eduardo Cunha. Contra ele, pesam fortes indícios (ou provas) de corrupção e, apesar disso, o povo mantém-se recolhido, como que a espera das "novas ordens midiáticas", o que nos faz deduzir que a população somente age quando estimulada, ou devidamente manipulada pelos interesses dos órgãos de imprensa. Isso nos leva a questionar se a "Veja" estava mal informada no ano passado, quando fez a reportagem sobre esse político, o que coloca em xeque a sua competência e credibilidade, ou se estava mal intencionada, o que põe em dúvida a sua isenção e imparcialidade. De qualquer forma, a infeliz reportagem só reforça a tese, defendida por muitos, de que trata-se de uma revista reconhecidamente tendenciosa. A imagem escolhida retrata a maneira de como a mídia, em todos os seus segmentos, exerce influência sobre aqueles que a ela se submetem passivamente. Esse cartum (suponho que seja) eu encontrei estampado em duas publicações: blogln.ning.com e cenadois.blogspot.com.br. Porém, em nenhum dos casos foi citada a autoria.
_____________________________________  

sábado, 4 de junho de 2016

MEU TEXTO:

Deus, um delírio

1 – INTRODUÇÃO:
“Deus, um delírio”. Podemos constatar que, do ponto de vista comercial, sem dúvida um título como esse já é capaz de suscitar interesse de inúmeros leitores. Mas, no decorrer do livro, a impressão que fica não é somente na questão comercial, mas objetivamente o autor Richard Dawkins, biólogo e escritor britânico, nos mostra uma intenção mais ousada: “Se este livro funcionar do modo como espero, os leitores religiosos que o abrirem serão ateus quando o terminarem”.
Desse modo, ele apresenta seu ponto de vista sobre a crença em um deus, seja ele de qualquer manifestação religiosa, que se inicia na doutrinação das crianças, é alimentada pelo fanatismo e culmina por alimentar guerras mundo afora. 
Com base na teoria das probabilidades, sua intenção é desmontar um a um os argumentos daqueles que acreditam na existência de um ser superior. Ataca todas as formas de sobrenatural e agarra-se à ciência para afirmar categoricamente: “Sei que Deus não existe, com a mesma convicção que Jung ‘sabe’ que ele existe”.
O que se segue neste trabalho é uma análise da visão contida no livro desse autor, seu “orgulho ateu” e de ter um enfoque racional alicerçado na ciência, sem, contudo, que isso mereça ser visto como aspecto negativo nessa sua compreensão sobre o assunto.
De fato, é um ponto de vista que merece ser lido e, apesar de polêmico, certamente irá levantar questionamentos a respeito da visão do autor e, principalmente, sobre nossa visão particular a respeito daquilo que cremos. Afinal, acreditar numa divindade seria propriamente uma atitude irracional, ou mesmo uma imposição social, como afirma o autor?

2.1 – DEUS E A CIÊNCIA:
Richard Dawkins não relaciona Deus ao início da criação, simplesmente porque não acredita que tenha havido um criador. A origem da vida se deve a um evento químico, ou uma série deles, que proporcionaram reunir condições de vida e a continuidade decorrente da seleção natural. Essa seleção “elevou a vida da simplicidade primitiva a altitudes estonteantes de complexidade, beleza e aparente desígnio que hoje nos deslumbram”, menciona ele.
Desse modo, tudo o que há no universo é plausível de explicações científicas e toda crença que possa envolver a ideia de um ato de criação superior, existência de um deus, é inconcebível. Segundo ele, “o cérebro humano é muito bom em construir modelos”, atribuindo às crenças religiosas o status de meras lendas. Sendo assim, as pessoas não seriam loucas, mas suas crenças sim.
Seu suporte científico fica basicamente alicerçado na seleção natural, que para ele seria a única alternativa viável, diferente da lógica criacionista, que considera ser sempre a mesma. Aliás, acredita ser não apenas viável, mas a única verdadeira. Ela funciona como uma mão única e cumulativa para o aperfeiçoamento.
Como cientista, é hostil com relação à religião fundamentalista porque ela desdenha da ciência. Diz ele que os cientistas da área da biologia são ainda mais ateus. As pessoas mais instruídas têm menor inclinação às questões religiosas, ou qualquer tipo de crença. Aqueles que possuem tendências teológicas, não conseguem fazer a distinção entre o que é verdadeiro daquilo que gostariam que fosse a verdade.
De acordo com Dawkins, os criacionistas adoram e se escoram nas lacunas deixadas por registros fósseis, mas alerta que a ciência sempre nos mostra alguma coisa. Na contramão dessa ideia, o fato de acreditarmos em “algo maior” não nos leva a lugar algum e estamos simplesmente chamando de Deus nossa própria ignorância.
Muito embora sejamos frutos de mutações consequentes de evento químico, a evolução da ciência pode ser notada, por exemplo, com o surgimento da teoria quântica, que, para ele, quem não se espantar com ela é porque não a entendeu. A ciência é uma forma de racionalismo, ao passo que a religião não passa de uma superstição.

2.2 – AS RELIGIÕES E AS GUERRAS:
Desde cedo as crianças, tanto no cristianismo como no islamismo, são ensinadas que a fé inquestionável é uma virtude. Todos nós somos “criaturas de Deus”, mas cada qual segundo o modo difundido nas respectivas religiões.
Apesar de os segmentos religiosos se colocarem numa atmosfera de harmonia e na busca da paz, o que elas fazem na verdade é acirrar os ânimos e contribuir de maneira a acentuar as diferenças religiosas. Embora os ensinamentos do que poderíamos chamar de “religião moderna” não são necessariamente extremistas, os fiéis são compelidos ao extremismo.
Para ilustrar a consequência das divergências religiosas, menciona uma frase do dramaturgo irlandês Sean O’Casey: “A política já matou uns bons milhares, mas a religião já matou umas boas dezenas de milhares”. Também acrescenta uma citação do físico norte-americano Steven Weinberg: “A religião é um insulto à dignidade humana. Com ou sem ela, teríamos gente boa fazendo coisas boas e gente ruim fazendo coisas ruins”.
Esses dois exemplos mostram a maneira negativa com que Dawkins enxerga a influência das religiões. Para ele os homens são capazes de cometer o mal de maneira plena quando movidos pelo entusiasmo de suas convicções religiosas.
Em favor dos ateus, como ele, afirma que pessoas que não crêem em Deus podem cometer maldades, mas não as fazem em nome o ateísmo. Por outro lado, ao observarmos a história, podemos ver com freqüência conflitos que foram movidos pelas religiões. Diz, ainda, que as pessoas são capazes de atos de insanidades em nome da fé.
Numa obra repleta de frases que criticam as questões religiosas, a maioria de autores relativamente recentes, ele também se vale de uma citação de Sêneca para reforçar sua tese: “A religião é considerada verdade pelas pessoas comuns, mentira pelos sábios e útil pelos governantes”.

3 – CONSIDERAÇÕES FINAIS:
Em “Deus, um delírio”, Richard Dawkins deixa patente que sua aversão pelas religiões é algo que está acima do fato de ser ateu. Sua paixão pela ciência fica evidente na citação de uma frase de Carl Sagan: “Quando estamos apaixonados, queremos contar ao mundo todo. Este livro é uma declaração pessoal, que reflete meu caso de amor de vida inteira com a ciência”.
Apesar de muito bem escrito, amparado em frases de efeitos e muitos conceitos, entendo que um dos pontos capazes de gerar polêmica é a linguagem agressiva dos textos, quando se utiliza do termo “ignorância” de maneira pejorativa, com o propósito de diminuir quem “se atreve” a pensar de maneira diferente da dele.
Apresenta suas teorias com convicção e intenção explícita de “converter” os crentes religiosos em ateus. Menciona, por exemplo, que a religião convenceu as pessoas que existe um homem invisível, que vigia tudo e que vai punir com fogo por toda a eternidade quem não cumprir as dez coisas de uma lista especial... E ironiza: “Mas Ele ama você”.
Podemos observar que o autor se utiliza de trechos como esse para dar suporte aos seus conceitos, o que é perfeitamente válido. Porém “peca” ao conferir a eles o valor de “uma prova”, quando na verdade se trata de um ponto e vista. Afinal, a crítica a essa visão transmitida pela religião cristã não prova que Deus não existe, apesar nos levar a admitir ser um contra-senso a existência de um “ser superior” com características que transitam de um sublime amor a eternas punições.
O livro mostra-se importante quando dá uma “chacoalhada” na imposição das crenças religiosas, que somos obrigados “a engolir” desde criança. Nossa atitude passiva de aceitação por inércia fica realmente abalada quando confrontada pela forma contundente com que o autor apresenta suas teses.
Todavia, ao contrário das pretensões do autor, fica a dúvida se sua obra seja realmente capaz de transformar seus leitores em “ateus de carteirinha”.

4 – REFERÊNCIA:
DAWKINS, Richard, Deus, um delírio. São Paulo: Companhia as Letras, 2007.

--------------------------------------
AUTOR: Paulo Cesar Paschoalini
--------------------------------------
COMENTÁRIO: Trabalho do componente curricular de AACC - Atividade Acadêmica Cultural e Científica, apresentado durante a graduação em Licenciatura em Filosofia, pela Faculdade "Claretiano - Rede de Educação", Polo de Rio Claro-SP.
Tenho uma dificuldade particular em aceitar imposições, sejam elas de qualquer natureza. Aliás, para mim, qualquer tipo de imposição não pode ser considerada natural, mas sinal de limitação  e frustração pessoal. Num mundo reinado pela dúvida, os que se consideram “donos da verdade” carregam um visível fardo de insatisfação para consigo mesmos. Tenho minhas convicções pessoais, certas para alguns, equivocadas para outros, contudo sempre escancaradas para novas reflexões e trancadas para toda e qualquer forma de imposição. Dawkins não conseguiu me convencer do seu intento. Como questionamento, acredito que o livro tem seu valor, mas o ponto negativo foi a prepotência do autor. Tanto ateus, como aqueles que creem, não me incomodam quando às suas crenças, ou não. Desde, porém, que considerem o que pensam como “opinião pessoal” e não como “verdade universal” e que, principalmente, respeitem pontos de vista antagônicos.
______________________________________