Translate

sábado, 30 de abril de 2016

UMA CITAÇÃO...

Um planeta melhor

“Todo mundo fala sobre como deixar um planeta melhor para os nossos filhos. Na verdade, deveríamos tentar deixar filhos melhores para o nosso planeta.”

-----------------------------
AUTOR: Clint Eastwood
-----------------------------
COMENTÁRIO - Paulo Cesar Paschoalini:
Clinton Eastwood Jr. nasceu em 31 de maio de 1930, na cidade de São Francisco, Califórnia, EUA. É um artista estadunidense ligado a área de cinema, conhecido por sua interpretação de personagens "durões", ou anti-heróis, em filmes do gênero western, conhecido no Brasil como "bang-bang". Atuou também como diretor em algumas produções, tendo recebido duas estatuetas como "Melhor Diretor" e outras duas na categoria de "Melhor Filme". É considerado um dos atores favoritos do público que aprecia a chamada "sétima arte" (Fonte: Wikipédia).
A frase mencionada acima consta em alguns sites como sendo de autoria do ator em questão. Mas em outros, porém, é de "Autor desconhecido", podendo ter sido apenas dita por ele, sem que seja necessariamente o autor. De qualquer maneira, por ser uma figura muito conhecida, foi importante tê-la mencionado, para se ter maior repercussão. Ela nos leva a refletir a respeito do futuro que estamos construindo para as próximas gerações.
_______________________________________

sexta-feira, 22 de abril de 2016

MINHA CITAÇÃO:

Dia do planeta Terra
"A alta temperatura, decorrente do chamado 'efeito estufa', nada mais é do que a constatação do estado febril em que o planeta doente se encontra."

Hoje, 22/04, é comemorado o “Dia do planeta Terra”, mais conhecido como “nossa casa”. Muitos pensam equivocadamente que cuidar do planeta é tarefa afeta somente às autoridades, eximindo-se, assim, de qualquer tipo de responsabilidade.

Apesar de ser também uma empreitada de grandes proporções, penso que a atitude reside na grandeza de pequenas, mas importantes ações individuais, como, por exemplo, começar com a seletividade do lixo dentro da própria casa (residência), colocando materiais orgânicos e recicláveis em volumes separados. Simples, não? Deveria ser.

Lembre-se: quem tem mais interesse em cuidar da casa é quem mora nela, não é verdade? Pois, bem, a “sua casa” está esperando pelos seus cuidados. Aproveite para começar hoje mesmo!

--------------------------------------
TEXTO: Paulo Cesar Paschoalini
--------------------------------------
COMENTÁRIO: A frase acima, de minha autoria, foi publicada também na minha página do Facebook " https://www.facebook.com/paulocesar.paschoalini ", com uma imagem diferente, mas com o mesmo conteúdo.
_______________________________________

domingo, 10 de abril de 2016

MEU TEXTO:

Construção consciente

1 - INTRODUÇÃO:
No ano seguinte após o fim da II Guerra Mundial, o filósofo francês Jean Paul Sartre publica seu livro “O Existencialismo é um humanismo”. Embora o cenário fosse de pessimismo por ter conhecido os horrores do conflito, Sartre dizia que o Existencialismo não era uma filosofia passiva, mas algo capaz de tornar possível a vida humana.
O Existencialismo proposto por Sartre prega que nós não nascemos prontos e, por essa razão, temos a possibilidade de nos construir durante a vida. Sendo assim, é preciso estar consciente de que nossa ação individual acabará por refletir para toda a humanidade.
Mas o que seria, então, essa nova visão existencialista? O que ela trazia de novo para o ser humano, que faz com que seja objeto de estudos filosóficos para nossa vida?
Para responder esses questionamentos, apresentamos no trabalho que se segue uma reflexão sobre o artigo “A construção consciente do homem”, que trata do tema mencionado, de autoria do Prof. Isaias Kniss Sczuk, publicado na revista “Filosofia - Ciência e vida”, de setembro de 2012.

2.1 – ANGÚSTIA E LIBERDADE:
Há duas correntes diferentes no Existencialismo: os cristãos e os ateus, que nessa segunda situação Sartre está incluído. Apesar dessa divergência, ambas admitem que a existência precede a essência, ou que o ponto de partida deva ser a subjetividade. Pois, para o Existencialismo, como o próprio nome sugere, o homem simplesmente existe e sua essência será aquilo que ele projetar, levando em consideração onde estiver inserido.
Dessa forma, Sartre diz que o homem tem de construir a si mesmo, pois, caso contrário, ele não será nada enquanto não fizer algo coisa. Conforme mencionado no artigo, “o homem é, antes de qualquer coisa, um projeto que vive subjetivamente”, não existindo, portanto, nada que anteceda esse projeto.
A construção do ser humano é resultado de processos históricos e esse “ser no mundo” não é somente responsável pela sua individualidade, mas por toda a humanidade, pois influenciamos e somos influenciados por tudo. E isso que gera no homem a angústia, a responsabilidade em decidir seu futuro, já que não encontra nenhum fator externo para se agarrar, para fazer isso por ele, visto que para o filósofo, Deus não existe.
Para Sartre, não existe determinismo, pois o homem é livre e “está condenado a ser livre”, o único responsável por suas escolhas, sendo ele, assim, agente e fruto da própria liberdade. Ser livre não pertence à essência, mas a liberdade dá suporte à sua essência. O homem não escolhe a liberdade, mas é lançado nela, já que ela precede o ser.
O homem não nasceu pronto e sua liberdade de escolha possibilita que se torne aquilo que ele ainda não é. Então, seria ele o que se poderia chamar de “não ser”, algo indefinido e indeterminado, que só será construído por suas ações.

2.2 – O SER EM-SI, PARA-SI  E PARA-O-OUTRO:
Quando o homem passa a ter consciência de si mesmo e do outro, passa a perceber-se como existência consciente. Uma consciência existindo no mundo, dirigida e transcendente na direção do mundo.
A relação do homem no mundo se faz com outro ser, distinto de si; o ser das coisas. Esse ser é pleno e idêntico a ele mesmo, que Sartre denomina “em-si”. Esse ser “em-si” não possui história, devir ou potencialidade. O homem é tão somente o movimento em direção às coisas. De acordo com o filósofo francês “o ser ‘em-si’ apenas é em sua plenitude”.
Além do ser “em-si”, Sartre fala sobre a existência do ser “para-si”, um ser essencialmente humano, que, diferentemente do “em-si”, não é pleno e busca constantemente completar-se. Por ser incompleto, inacabado, é que esse “para-si” vai se construindo através do fato de ser livre, sendo impossível a ele não fazer escolhas, uma vez que a opção por não escolher já significa uma escolha que ele faz.
Assim, podemos constatar uma situação paradoxal, já que, sendo o homem dotado de liberdade para fazer escolhas, é impossível escolher não ser livre. O fato de ele existir é uma contingência, ou manifestações da “factilidade da liberdade”, ou seja, um lugar, um corpo, um passado, condição social e contexto histórico.
Sartre concebe também o que ele chama de ser “para-o-outro”. Nesse caso, ele diz que “é necessário reconhecer primeiro o outro como outro para depois o sujeito se reconhecer”. O homem percebe-se e se constrói através da relação com o ser “para-o-outro”, de estrutura conflituosa. Para o filósofo, “quando duas pessoas se medem pelo olhar, é inevitável que uma tente paralisar a outra, isto é, apossar-se da liberdade da outra”. Ele menciona, ainda, que o outro representa o limite do seu ser.
Podemos constatar que o homem se vê condenado a ser livre e também a ser responsável por si mesmo. No entanto, muito embora Sartre exponha a existência de limites para as coisas e para os outros, não coloca-os como sendo obstáculos à sua liberdade.

3 – CONSIDERAÇÕES FINAIS:
A contribuição de Sartre é sem dúvida alguma muito importante para o pensamento humano. Instiga o homem a refletir sobre a sua plena liberdade e faz com que tenha a consciência de que deva assumir a responsabilidade pelo seu futuro.
Embora o Existencialismo tenha surgido num momento após a II Guerra Mundial, os conflitos agora não são propriamente envolvendo confrontos entre grandes potências, mas eles não deixam de existir de maneira localizada. Quer sejam entre países diferentes, disputas internas, ou mesmo relações sociais, estamos assistindo a momentos de elevadas tensões, pelos mais variados motivos.
A relação com o outro é marcada por conflitos que soam como absurdos ao próprio homem, mas ele mesmo não se dá conta de que tudo é fruto da sua liberdade de escolha. Apesar de ser responsável pela construção de si, suas atitudes estão muito mais pautadas em atos que tem contribuído para a destruição da relação com esse outro.
Talvez seja esse o ponto crucial que Sartre nos convida a refletir. Realmente é de fato angustiante ter a consciência de que ser único responsável pelo seu futuro e ter a percepção de que aquilo que escolhe tem influência em toda a humanidade.

-------------------------------------
TEXTO: Paulo Cesar Paschoalini
-------------------------------------
COMENTÁRIO: Trabalho do componente curricular de AACC - Atividade Acadêmica Cultural e Científica, apresentado durante a graduação em Licenciatura em Filosofia, pela Faculdade "Claretiano - Rede de Educação", Polo de Rio Claro-SP.
A publicação no blog é um convite para uma reflexão sobre o tema do artigo, além de estimular a leitura desse e outos assuntos que abordam aspectos da natureza humana. A imagem mostra o filósofo francês Jean-Paul Sarte. É claro que existem fotos que retratam melhor a pessoa de Sartre, do que a escolhida. Porém, achei essa muito mais expressiva, que mostra o filósofo francês sozinho na imagem (apesar da outra sombra), que nos remete a uma atmosfera de angústia, justamente numa paisagem cinza, com o ser humano rumo a um horizonte indefinido.

REFERÊNCIA: SCZUK, Isaias Kniss, A construção consciente do homem. Filosofia Ciência & Vida, São Paulo, ano VII, n. 75, p. 60-71, out. 2012.
______________________________________