Translate

domingo, 8 de janeiro de 2012

MINHA CRÔNICA:

Títulos protestados

Queiramos ou não, o Brasil continua sendo o país do futebol e nada melhor do que um começo de ano para se fazer um balanço do cenário esportivo da temporada que passou. O ano de 2011 termina com um saldo positivo para o Santos, campeão da Libertadores, e para o Corinthians, campeão brasileiro, mas não do torneio sulamericano, evidentemente. Mas o saldo mais expressivo, sem dúvida nenhuma, é o do Palmeiras. Até o início do ano, o alviverde tinha 4 (quatro) títulos nacionais e termina o ano com 8 (oito) conquistas, ou seja, o dobro.

Para isso não foi necessária a contratação de nenhum craque de expressão, mas a eficiência do Departamento Jurídico do clube, já que em campo, quando faltavam quatro rodadas para o final do Brasileirão, o time ainda corria risco de ser rebaixado mais uma vez para a Segundona. Assim, no “tapetão”, o time do Parque Antártica conseguiu alcançar o sucesso que não consegue no tapete verde, onde, de fato, deveriam acontecer as grandes conquistas.

Se levarmos em consideração a habilidade dos advogados, não a dos jogadores, o “glorioso” Palmeiras poderá ter ainda mais sucessos em 2012. Basta buscar “em algum lugar do passado” outras situações que poderiam ser consideradas merecedoras de mais títulos. Com a intenção de ajudar os causídicos alviverdes, vejamos alguns exemplos:

Conforme relato de quem viveu naquela época, na década de 50 o Palmeiras veio até Piracicaba participar de uma partida beneficente contra o time “B” do Lar dos Velhinhos. Com empate sem abertura de contagem no tempo normal, a disputa foi para os pênaltis. Cegueta, goleiro da equipe do “Lar”, defendeu dois pênaltis. Mas o lendário arqueiro Oberdã Cattani também pegou duas cobranças, batidas pelo meio campo Perneta e pelo atacante Manquinho. Cabe ressaltar que os apelidos dos atletas faziam jus às suas respectivas limitações físicas.

As cobranças foram demoradas, pois os atletas do “Lar” tinham que se deslocar do meio campo até a marca do pênalti usando seus andadores. Já os advogados palmeirenses foram mais rápidos e, se aproveitando do fato de que os idosos tinham consumido doses de remédios no intervalo, alegaram que esses medicamentos tinham substâncias proibidas. Dessa forma, o Palmeiras foi considerado vencedor do confronto e, com mais esse resultado, mais um título em vista.

Não bastasse apenas a participação naquela partida, os atletas alviverdes fizeram uma visita ao Lar dos Velhinhos e, na oportunidade, participaram de um torneio de jogo de botão e outro de pebolim. Por estarem habituados a esses jogos nas concentrações, não deu outra e os palmeirenses bateram com facilidade os idosos e “paparam” mais esses importantes títulos para o time de Parque Antártica. Sendo assim, mais dois para serem reivindicados.

Conta-se que no final de 1971, o piracicabano Altafini, mais conhecido por Mazzola, algumas vezes campeão pelo Milan, veio até Piracicaba participar de um churrasco com os amigos. Como não poderia deixar de ser, houve a tradicional pelada de “Solteiros x Casados” e, segundo testemunhas, o time de Mazzola sagrou-se vencedor da partida. Por já ter atuado pelo Palmeiras antes de ir para a Itália, e em razão das fotos da época mostrarem que sua equipe utilizou um uniforme de cor verde, existe a possibilidade do Departamento Jurídico palmeirense conseguir mais essa conquista. No entanto, pode ser que esse título não seja reconhecido porque o Mazzola atuou parte do segundo tempo pelo time dos solteiros e, na ocasião, ele já era casado. Mas os profissionais da área jurídica prometem muita garra e união nos tribunais.

Os advogados estão ainda querendo provar que o Palmeiras foi o primeiro campeão brasileiro. Eles encontraram uma pintura em tela sobre o descobrimento do Brasil e, ao analisarem a obra em detalhe, alegam que pelo menos um dos tripulantes de Cabral tinha bordado em sua camisa algo que dizem ser uma letra “P”, que acreditam ser de Palmeiras, algo parecido com o que hoje está estampado na camisa o time do Parque Antártica.

Porém, os Promotores discordam, alegando que uma eventual letra “P” poderia designar que o sujeito poderia ser um presidiário, já que, como conta a história, muitos prisioneiros portugueses foram deportados para o Brasil naquela época. Dessa forma, eles teriam ligação com o Corinthians e não com o alviverde. Mas os causídicos esmeraldinos insistem, dizendo que as práticas esportivas na época do descobrimento aconteciam entre árvores que mais tarde foram chamadas de “palmeiras imperiais” e seria um tipo de vínculo com o nome Palmeiras, o que poderia ser considerado o primeiro título em terras brasilis, antes mesmo da própria invenção do futebol pelos ingleses.

O ano de 2012 promete ser de grandes emoções para os palmeirenses, que, ao invés de assistirem aos jogos transmitidos pelos canais Globo, Bandeirantes ou SPORTV, ficarão com os olhos grudados na TV Justiça, canal 9 da Net. Na reforma do Parque Antártica, está prevista a construção de um tribunal, o “Suínus Fórum”, para que os torcedores possam levar as bandeiras, entoar cantos esportivos e vibrar a cada sentença proferida em favor do time alviverde. Pode ser que esse local venha a ter mais cadeiras que o próprio estádio, uma vez que as conquistas no campo jurídico têm acontecido com mais freqüência que no esportivo.

Existe, assim, a expectativa de que em dezembro de 2012 o Palmeiras tenha também dobrado o número de títulos que tinha no início, podendo chegar, assim, a 16 (dezesseis) conquistas, e essa ascensão já tem preocupado sobremaneira os dirigentes do Real Madrid, da Espanha, e do Milan, da Itália, os clubes que já conquistaram muitos títulos mundiais. Como o time brasileiro tem ligação com as raízes italianas, pode ser que, com a influência da Máfia, se consiga convencer que o Palestra Itália tenha ganho alguns torneios na Europa. Essa influência é algo assim mais ou menos parecida com o que aconteceu na época em que a Parmalat patrocinava o time que vestia um pijama listrado de verde e branco. Dessa forma e pelo andar da carruagem, os advogados querem também fazer do Palmeiras o maior vencedor de mundiais da FIFA de todos os tempos.

A seleção da Argentina e o Barcelona também vem demonstrando muita preocupação. Os advogados do Palmeiras trabalham com a possibilidade de que um deles, Marcos Assunção ou Luan, seja considerado o melhor jogador do mundo na atualidade, ao invés do argentino Lionel Messi. Para tanto, estão enviando as gravações do desempenho de ambos nos coletivos e recreativos dados por Felipão, e também pela excelente performance de ambos em jogos de dupla e até nas brincadeiras de “bobinho”. Isso mesmo: “bobinhos”!

Para finalizar, com base no que foi mencionado no texto, no ano de 2012 o nome Palmeiras deverá estar mais uma vez em destaque. Muito provavelmente será por causa dos novos títulos que virão dos tribunais, mas com certeza continuará vinculado, principalmente, a muitos, mas muitos bobinhos...
----------------------------------------
AUTOR: Paulo César Paschoalini
----------------------------------------
Esta crônica, com doses de humor, é dedicada a todos os meus amigos palmeirenses.
____________________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário